255147828439789

última hora

Enquanto Ele finge governar, taxa de desemprego sobe e fica em 12,4% em fevereiro

29 de março de 2019 - 10:52 | por Redação
Enquanto Ele finge governar, taxa de desemprego sobe e fica em 12,4% em fevereiro
Economia
0

A taxa de desemprego no país subiu  e ficou em 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro deste ano, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) – Contínua, divulgada nesta sexta-feira  (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Rio de Janeiro.

 O percentual é maior que o do trimestre anterior (encerrado em novembro de 2018), que havia sido de 11.6%.

Desemprego  deixa  13,1 milhões de pessoas sem trabalho

A população desocupada no país era de 13,1 milhões em fevereiro, um crescimento de 7,3% na comparação com novembro. Ou seja, o número de desempregados teve aumento de 892 mil pessoas. Na comparação com fevereiro de 2018, houve estabilidade.

 O total de ocupados ficou em 92,1 milhões em fevereiro, uma queda de 1,1% (menos 1,06 milhão de pessoas) em relação a novembro, mas uma alta de 1,1% na comparação com fevereiro do ano passado.

Desemprego no Brasil atinge mais os jovens, negros e mulheres. Foto: Causa Operária

O número de empregados com carteira assinada (sem contar trabalhadores domésticos) foi de 33 milhões de pessoas em fevereiro, ficando estável em ambas as comparações.

Já o número de empregados sem carteira assinada (11,1 milhões) caiu 4,8% na comparação com novembro (menos 561 mil pessoas) e subiu 3,4% (mais 367 mil pessoas) comparado a fevereiro.

Era Bolsonaro tem subutilização recorde

A população fora da força de trabalho, ou seja, que não está nem trabalhando nem procurando emprego, chegou  a 65,7 milhões, um recorde na série histórica. O número é 0,9% maior (mais 595 mil pessoas) do que novembro e 1,2% superior (mais 754 mil pessoas) do que fevereiro daquele ano.

A população subutilizada (ou seja, que está desempregada, que trabalha menos do que poderia, que não procurou emprego, mas estava disponível para trabalhar ou que procurou emprego, mas não estava disponível para a vaga) chegou a 27,9 milhões de pessoas em fevereiro deste ano.

Número de desalentados no Brasil é recorde após frustração pela procura de emprego. Foto: César Itirerê FP

O número também é recorde na série histórica, 3,3% maior (mais 901 mil pessoas) em relação a novembro e 2,9% maior (mais 795 mil pessoas) do que em fevereiro de 2018.

A taxa de subutilização da força de trabalho chegou a 24,6%, superior aos 23,9% de novembro e aos 24,2% de fevereiro de 2018.

O total de pessoas desalentadas (ou seja, aquelas que desistiram de procurar emprego) chegou a 4,9 milhões, outro recorde da série histórica. O percentual de desalentados chegou a 4,4%. O rendimento médio real habitual do trabalhador (R$ 2.285) cresceu 1,6% frente ao trimestre anterior e ficou estável em relação ao mesmo trimestre do ano anterior. A massa de rendimento real habitual (R$ 205,4 bilhões) ficou estável em ambas as comparações.

Foto capa: reprodução Twitter Major Victor Hugo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *