255147828439789

Milhares participam em Brasília da 6ª Marcha das Margaridas

14 de agosto de 2019 - 21:25 | por Redação
Milhares participam em Brasília da 6ª Marcha das Margaridas
Brasil
0

Organizada a cada quatro anos, a Marcha das Margaridas aconteceu em Brasília, e em sua 6ª edição, o evento teve a participação inédita de delegações de 27 países, além de representantes de todas as unidades federativas do Brasil.

Depois de longa caminhada até o Congresso Nacional, cerca de 100 mil pessoas participaram de ato, celebrando o lema da marcha deste ano: Margaridas na Luta por um Brasil com Soberania Popular, Democracia, Justiça, Igualdade e Livre de Violência’.

De acordo com a coordenadora geral da Marcha das Margaridas, Mazé Morais, este ano a manifestação teve a participação de outras entidades, além das 16 que, desde 2000, participam do evento. “Fomos reforçados por outras organizações ligadas à defesa dos direitos das mulheres, dos índios, de estudantes e de feministas. Em parte esse reforço se explica pela semana expressiva aqui em Brasília, por causa de outras manifestações”, disse.

Mazé disse que a marcha não está restrita aos seis quilômetros percorridos até a Esplanada dos Ministérios. “Isso aqui é apenas uma coroação; a cereja do bolo, após muitos debates e formações”, disse. “A marcha não começa e nem termina aqui. Não se trata apenas de uma caminhada. Antes de ela acontecer, nós fazemos debates e formações. Viemos aqui para mostrar que estamos atuantes e queremos respeito. Estamos na resistência. E, daqui, sairemos empoderadas para atuar nas nossas bases, formando pessoas visando a garantia de nossos direitos”.

Mobilização

Na avaliação dos organizadores, a Marcha das Margaridas é “a maior mobilização de mulheres trabalhadoras rurais do campo e da floresta do Brasil”. O nome do evento é uma homenagem à trabalhadora rural e líder sindical Margarida Maria Alves, “um dos maiores símbolos da luta das mulheres por terra, trabalho, igualdade, justiça e dignidade”, explica Mazé, referindo-se à liderança que foi “brutalmente assassinada” em 1983.

Nesta 6ª edição, os organizadores optaram por ir além da apresentação de uma pauta de reivindicações. “Apresentamos uma plataforma, na qual expressamos um modelo de sociedade mais justo, que garanta qualidade para a educação, a saúde; contrário à violência praticada contra mulheres e a favor do acesso a bens comuns, como água e alimentação saudável sem agrotóxicos”, disse ao se referir às 20 propostas públicas apresentadas.

Mazé explicou que nenhum contato foi feito com autoridades governamentais nesta edição. “Tendo interesse, o governo poderá acessar nossas propostas, que são públicas”, disse. “Além disso, temos parlamentares que são nossos porta-vozes. Eles certamente as apresentarão ao governo”.

Segundo a coordenadora da marcha, a atual edição “reforça o coro contra a reforma da Previdência, por entender que não se trata de uma reforma, já que tira direitos em vez de melhorar a vida dos beneficiários. Sabemos que não será fácil, mas atuaremos muito fortemente junto aos senadores para evitá-la”.

“Estamos aqui para reivindicar aquilo que é nosso por direito, um país com soberania, justiça e segurança para todas, mas principalmente para as mulheres do campo, da floresta e das águas”, explicou Mariana Janeiro, filósofa, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade) e ativista feminista.

De acordo com Mônica Olinto, secretária-executiva da Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais), a Marcha também reafirma “a defesa de temas como práticas agroecológicas, políticas de educação e saúde, combate à violência de gênero e Previdência Social”.

Da Redação com informações da Abr e Revista Fórum

Foto: Lula Marques e Marcelo Camargo Abr

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *