última hora

Moro e PF impedem enviado do Papa Francisco entregar rosário a Lula

11 de junho de 2018 - 21:14 | por Redação
Moro e PF impedem enviado do Papa Francisco  entregar rosário a Lula
Brasil
0

O papa Francisco enviou um rosário ao presidente Lula, preso político há 67 dias. O presidente recebeu o terço na sede da Polícia Federal em Curitiba. Em maio, o pontífice criticou o papel da mídia na difamação de figuras públicas. “Criam-se condições obscuras para condenar uma pessoa. A mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas. Depois chega a Justiça, as condena, e no final, se faz um golpe de Estado”, afirmou na ocasião.

O rosário foi entregue hoje na PF por Juan Gabrois, assessor do Papa Francisco para assuntos de Justiça e Paz, que foi impedido de visitar o presidente.

“Vim aqui com muita esperança, para trazer uma mensagem ao ex-presidente Lula e, lamentavelmente, de uma maneira inexplicável, fui informado por funcionários da superintendência da Polícia Federal que eu não poderia visitá-lo. Devo dizer que estou muito preocupado com essa situação, pois considero que estamos frente a um claro caso de perseguição política, onde há a deterioração da democracia nesse lindo país que é o Brasil”, declarou Gabrois.

Segundo o emissário do Vaticano, o que mais o surpreendeu foi o argumento usado para não permitir o encontro: “Falaram que não se tratava de um encontro religioso. Mas, de acordo com a doutrina católica, todos os batizados têm uma missão, o que invalida esse argumento. Trouxe um rosário enviado pelo Papa Francisco e sua palavra. Além disso, vim disposto a debater questões espirituais com o ex-presidente Lula. Esta inexplicável negativai é parte, também, de um processo de degradação institucional, que acontece não só no Brasil, mas em diversos países da América Latina”.

Gabrois disse que saía triste, “pois vim de muito longe para dialogar com uma pessoa querida por grande parte do povo latino-americano. Saio com esse sentimento de que algo mais está se passando, pois minha visita foi impedida por razões de natureza política. Já visitei presos em situações similares em vários países e nunca encontrei uma negativa dessa natureza. Saio triste, mas com esperança de que a justiça prevaleça”, disse.

Fotos: Eduardo Matusiak e Cláudio Kbene

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *